Interações do álcool com outras drogas

O álcool é um potente depressor do sistema nervoso central, ou seja, seu uso pode levar a uma diminuição da atividade cerebral e conseqüentemente a alterações importantes no comportamento.

O álcool pode interagir com outras drogas como benzodiazepínicos, opioides, analgésicos, anfetaminas, cocaína, barbitúricos, alucinógenos, antibióticos e anti-histamínicos, sendo que estas combinações podem afetar o indivíduo em muitas formas.

Interação farmacológica significa que há uma alteração das propriedades de determinada droga quando na presença de outra.

Algumas das interações conhecidas entre álcool e outras drogas ocorrem devido a:

 

Interação farmacocinética: Efeitos diretos na absorção ou indiretos na metabolização da droga, por exemplo a interação que ocorre no fígado onde muitas drogas são metabolizadas pelas mesmas enzimas.

 

Interação farmacodinâmica: interferência no mecanismo de ação das drogas

 

Desta forma, há efeitos imprevisíveis e perigos potenciais envolvidos na mistura do álcool com outras drogas.

As pessoas podem combinar álcool com outras drogas por uma simples falta de conhecimento, por exemplo quando o álcool é misturado a medicamentos prescritos como antibióticos, analgésicos ou anti-histamínicos, ou de forma consciente, com a finalidade de potencializar o efeitos da droga.

 

Tipos de Interações

Álcool e outras drogas depressoras do Sistema Nervoso Central (SNC)

São depressores do SNC: barbitúricos, sedativos não barbitúricos, benzodiazepínicos e opióides narcóticos.

O álcool, quando combinado a outras drogas depressoras pode levar a um aumento da sedação por uma adição do efeito da droga.

Outros efeitos podem incluir a depressão de funções respiratórias ou cardíacas que podem resultas em perda da consciência e morte.

Recomenda-se evitar estas associações principalmente quando o indivíduo apresentar ideação suicida ou for conduzir um veículo.

 

Interação de álcool com:

 

Analgésicos

Analgésicos como paracetamol e aspirina são utilizados para o alívio de dores moderadas, se utilizados juntamente ao álcool podem levar a um prejuízo da mucosa que gástrica e aumentar o tempo de sangramento.

Os analgésicos também podem conter codeína e anti-histamínicos que ao interagir com o álcool levam à sonolência.

Quando o álcool é combinado a opiáceos como morfina, heroína, codeína ou metadona pode haver um aumento da função depressora do SNC destas drogas.

Aproximadamente um quarto das mortes de indivíduos que fazem uso de opiáceos se dá em decorrência da interação com o álcool.

 

Outras Drogas Depressoras

A Maconha não é necessariamente um agente depressor do SNC pois também possui características alucinógenas, no entanto, quando usado em combinação com o álcool pode prejudicar as funções motoras e intelectuais do indivíduo.

Pouco se sabe a respeito da interação do álcool com substâncias voláteis, porém um efeito aditivo é provável.

 

Drogas Estimulantes

Drogas estimulantes como anfetamina e cocaína, quando usadas juntamente ao álcool fazem com que o indivíduo necessite de doses muito maiores de álcool para que este se sinta intoxicado. Algumas pessoas acreditam que o uso do álcool juntamente à cocaína ajuda minimizar os efeitos desagradáveis desta.

 

Drogas Alucinógenas

Há poucas informações sobre a interação de alucinógenos com álcool. Porém, sabe-se que a mistura do álcool com alucinógenos é imprevisível e os efeitos de ambas as drogas pode ser intensificado.

 

Medicamentos Prescritos

Há alguns antibióticos, por exemplo metronidazol e tinidazol que reagem com o álcool. O uso combinado pode levar a cefaléia e náuseas. O Álcool também pode diminuir a eficácia de antibióticos e drogas anti-virais. A interação de álcool e anti-histamínicos parece prejudicar desempenho psicomotor.

 

Algumas drogas anti-inflamatórias como ibuprofen e indometacina quando combinadas ao álcool podem levar a um aumento significativo do tempo de sangramento.

O álcool quando ingerido juntamente à aspirina pode levar a um prolongamento do tempo de sangramento e irritação da mucosa gástrica.

Por fim, deve-se tomar muito cuidado com a utilização do álcool na vigência do uso de anticoagulantes pois pode haver uma potencialização da ação dos agentes anticoagulantes cumarínicos por uma inibição competitiva da metabolização de enzimas hepáticas.

 

Fonte: Álcool e Drogas sem distorção