Álcool mata ao desacelerar o sistema nervoso, explica médico

Álcool mata ao desacelerar o sistema nervoso

A causa da morte da cantora Amy Winehouse foi divulgada nesta quarta-feira (26) como sendo excesso de consumo de bebida alcóolica. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o álcool, o cigarro, a obesidade e o sedentarismo são as principais causas de morte por doença não-contagiosa no mundo.

Há três maneiras que o álcool pode matar uma pessoa, segundo o médico Ronaldo Laranjeira, coordenador da unidade de pesquisa em álcool e drogas da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

A primeira, como no caso de Amy, é bastante comum. É a chamada morte por “toxicidade aguda”, quando o efeito venenoso do álcool afeta o cérebro ao ponto de desligar as funções vitais. “O álcool causa a depressão do funcionamento do sistema nervoso central. O primeiro efeito pode ser prazeroso: você fica relaxado. Em excesso, pode levar ao coma alcoólico e à morte”.

O chamado “coma alcoólico” ocorre quando o sistema nervoso central é desacelerado a um ponto em que a pessoa acaba perdendo os sentidos. Se o consumo é intenso, o efeito pode fazer parar de funcionar a área do cérebro responsável por controlar a respiração e o coração. Ou seja, pulmão e coração param de funcionar.

No caso da cantora britânica, os efeitos provavelmente foram potencializados pelo estado de saúde fragilizado. “O corpo dela estava bem debilitado, porque já vinha de um uso crônico de álcool e drogas. O coração não aguentou”, explica o médico.

A outra maneira que o álcool pode matar é lentamente, ao longo de anos. “O consumo de álcool crônico mata porque causa problemas cardiovasculares, câncer e doenças no fígado”, diz Laranjeiras. Embora esse último tipo seja o mais lembrado, ele é o mais raro.

“As pessoas pensam sempre em cirrose, mas a doença do fígado corresponde a apenas 15% das mortes dos alcoólatras”, diz o especialista. O mais comum entre esse tipo de pessoa é a morte por problemas cardiovasculares. O álcool causa hipertensão e enfraquece coração, veias e artérias.

Já o câncer é uma doença que as pessoas não associam normalmente ao consumo de bebidas alcoólicas, segundo Laranjeiras, mas que está intimamente ligado ao abuso. “Uma mulher que toma duas taças de vinho todos os dias tem 20% mais chance de ter câncer de mama”, exemplifica.

Por fim, a terceira causa de morte pelo álcool é a mais comum: os acidentes. “O álcool mata mais no trânsito, em homicídios ou em brigas”, explica o médico. “O efeito da bebida no sistema nervoso central afeta a capacidade de julgamento crítico e a coordenação motora. O que causa acidentes e desentendimentos”, explica. As informações são do G1.

Fonte: Correio da Bahia